Exoesqueleto para uso pessoal

Durante décadas cientistas e engenheiros dos laboratórios das grandes universidades e empresas, trabalham no desenvolvimento de dispositivos robóticos capazes de auxiliar seres humanos que possuem algum tipo de deficiência motora.

Aprovado recentemente pelas agências de saúde da Europa e dos Estados Unidos, o primeiro dispositivo mecânico vestível que pode ser comercializado, este equipamento foi desenvolvido pela empresa Parker Hannifin e é capas de devolver as pessoas com deficiência a capacidade de voltar a andar.

O exoesqueleto Indego é preso na cintura do paciente, o dispositivo possui articulações acionadas por motores para facilitar o movimento dos joelhos e quadril, o equipamento também possui uma muleta que pode ser utilizada pelo paciente para manter o seu equilíbrio enquanto utiliza o exoesqueleto.

Este equipamento chega ao mercado com um preço elevado, cerca de US$ 80.000, um valor que poucas pessoas têm condições de pagar. Mas com o avanço contínuo da tecnologia, a fabricante pode encontrar formas de tornar o equipamento mais barato, para facilitar o acesso a pessoas menos favorecidas financeiramente.

Contudo, este exoesqueleto representa um importante passo para o desenvolvimento de equipamentos de reabilitação médica, pois devolve a independência das pessoas que sofreram graves lesões e por conta disso perderam os movimentos das pernas.

Imagem: Parket Hannifin Indego

Para mais informações acesse o portal da Inovação Tecnológica.

 

 

Exoesqueleto para uso pessoal

Aluno do 4° ano de Engenharia da Computação da Universidade Positivo, estagiário no Núcleo de Computação Embarcada. Sócio fundador da empresa LEV3D.

Classificado como:        

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *