Internet das Coisas? Faça você mesmo!

A Internet das Coisas é a evolução da Internet. Ela possibilita a conexão de pessoas, processos, sistemas e dispositivos que estão à nossa volta afim de que eles possam facilitar atividades corriqueiras e o desenvolvimento de negócios e da Indústria. Todo esse processo, à primeira vista pode parecer complicado, porém engana-se quem pensa que o desenvolvimento dessa tecnologia depende exclusivamente de grandes empresas.

A cada dia que passa surgem novas tecnologias voltadas para IoT. Muitas delas são desenvolvidas de modo OpenSource (Cógido aberto, em tradução livre), o que possibilita que desenvolvedores e aventureiros façam o desenvolvimento de projetos utilizando essas tecnologias sem se preocupar. Somente neste blog da ATMEL são apresentadas 25 plataformas de desenvolvimento diferentes, dedicadas para IoT. Com uma interface simples, elas são aplicáveis nas mais diversas áreas em que se imagina, como um satélite ou um videogame.

O Arduino e a Raspberry Pi são atualmente as plataformas mais difundidas entre os desenvolvedores. Por possuírem uma interface de simples manuseio, permitem a aplicação em inúmeros projetos, com bons resultados. O Arduino é uma plataforma de desenvolvimento constituída de hardware e software, utilizada para prototipação de circuitos eletrônicos, testes, automação, entre outras aplicações. A placa possui várias versões, cada uma se adequando para diferentes usos, contando com uma dedicada à IoT, o Arduino Yun. Sua utilização é bem simples, pois utiliza uma IDE de desenvolvimento próprio, com uma linguagem de programação intuitiva. Isso faz com que tarefas como fazer a leitura de um sensor, acender um led ou utilizar o PWM sejam utilizadas sem muita dificuldade. Aqui estão algumas das características do Arduino Uno R3:

  • Micro controlador baseado no ATMEGA328;
  • 14 pinos de entrada/saída digital, dos quais 6 podem ser utilizados como PWM;
  • 6 entradas analógicas;
  • Clock de 16MHz;
  • Uma conexão USB;
  • Uma entrada de alimentação (5V);
  • Fornecimento de corrente de até 50mA (No pino 3,3V) nas Entradas/Saídas.

 

Arduino Yún

Assim, para soluções que necessitem de baixo custo, sem a necessidade de grande capacidade de processamento, o Arduino com certeza é a melhor opção.

Desenvolvida em Cambridge com o objetivo de ensinar programação para crianças, a Raspberry Pi é hoje o minicomputador mais conhecido no mundo. Com o tamanho de um cartão de crédito, ela possui especificações que nos permitem utilizá-la como um computador, mas sem deixar de lado o micro controlador, já que ela também possui pinos de entrada e saída, os GPIO’s. Com 5 modelos de placas lançados, sendo o mais recente deles a Raspberry Pi 3, sua utilização requer mais conhecimento do que a operação do Arduino, por exemplo. Todavia, por suportar versões do Linux e mais recentemente o Windows IoT Core (Apenas na versão 3), as possibilidades de aplicação são inúmeras. Confira abaixo as especificações do modelo 3, pensado para IoT:

  • Processador Quad-core 64-bit ARM Cortex A53 com clock de 1.2 GHz;
  • Em torno de 50% mais rápido que o Raspberry Pi 2;
  • 11n Wireless LAN;
  • Bluetooth 4.1 (incluindo Bluetooth Low Energy);
  • 400MHz VideoCore IV multimídia;
  • Memória de 1GB LPDDR2-900 SDRAM (900MHz).
Raspberry Pi 3

 

O crescimento da IoT é inegável. A cada dia que passa surgem novas soluções, com conexões onde pensávamos que não fosse possível. Engana-se quem pensa que tanta inovação é “coisa do futuro”, pois muitas destas soluções já fazem parte do nosso dia a dia, muitas vezes sem que percebamos. Assim, estar por dentro desta tecnologia faz com que fiquemos antenados nas últimas tendências do mercado, além de possibilitar o uso de IoT para facilitação da nossa vida. As plataformas como o Arduino, Raspberry e tantas outras tem justamente este objetivo: possibilitar o crescimento da IoT e a abertura para que qualquer pessoa possa fazer parte do desenvolvimento. E então, o que iremos criar hoje?

Internet das Coisas? Faça você mesmo!

Aluno do 3º ano do curso de Engenharia da Computação, entusiasta em Internet das Coisas, Sistemas Embarcados e novas tecnologias.

Classificado como:                    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *