Robô “vivo” é feito por pesquisadores de Harvard

Um pequeno robô “vivo” foi feito por pesquisadores de Harvard, utilizando silicone, ouro e células vivas de ratos. O dispositivo assemelha-se à uma raia, onde é composto basicamente por quatro camadas, sendo a primeira um substrato de silicone que forma o corpo exterior, um esqueleto composto por fios de ouro, uma segunda camada de silicone para o isolamento do esqueleto e finalmente mais de 200.000 células modificadas do coração de ratos .

À partir de um processo de bioengenharia, as células do coração são modificadas de forma a se contraírem quando expostas à um específico comprimento de onda, dando ao robô movimentos semelhantes às raias. Mesmo que modificadas, as células ainda são contidas em um substrato nutritivo, que alimenta e isola as mesmas de forma a evitar ataque de organismos estranhos, já que não possuem anti-corpos.

download (2)

Esta pesquisa demonstra a grande possibilidade na utilização de células para a composição de dispositivos e materiais, de forma a tornar os mesmos mais fiéis ou biologicamente inspirados. As aplicações da tecnologia são inúmeras, desde a criação de equipamentos mais adaptados até robôs mais “humanos”.

 

Para maiores informações acesse: Engadget

Robô “vivo” é feito por pesquisadores de Harvard

Aluno do 2º ano de Engenharia da Computação e estagiário no Núcleo de Computação Embarcada da Universidade Positivo (NCE).

Classificado como:        

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *