Dispositivo de armazenamento atômico

É crescente a necessidade de espaço para o armazenamento de dados, entretanto a capacidade de armazenamento dos dispositivos atuais não vem acompanhando este crescimento com tanta rapidez. Desse modo pesquisadores da TU Delft desenvolveram uma técnica capaz de armazenar dados em átomos de cloro, permitindo que o dispositivo possua alta densidade de armazenamento ocupando um espaço mínimo.

Os dados são gravados utilizando um microscópio de scanner por tunelamento, onde os bits são representados pela posição relativa dos átomos de cloro sobre uma superfície de cobre. Este método é capaz de produzir um armazenamento de 62.5 TB de dados em um espaço relativo à uma polegada quadrada.

A tecnologia ainda está em fase inicial, permitindo que este método seja utilizado, por enquanto, apenas em ambientes extremamente limpos, além de ser condicionado à baixas temperaturas(aproximadamente -196 graus Celsius). Entretanto os cientistas se mantém confiantes, acreditando que seja apenas uma questão de tempo até que as condições normais de operação sejam atingidas, possibilitando que simples dispositivos apresentem grande capacidade de armazenamento. Dispositivos com maiores capacidades de armazenamento serão cada vez mais recorrentes, onde o exponencial aumento na circulação de dados é inevitável.

 

Para maiores informações acesse: Engadget

 

 

Dispositivo de armazenamento atômico

Aluno do 2º ano de Engenharia da Computação e estagiário no Núcleo de Computação Embarcada da Universidade Positivo (NCE).

Classificado como:        

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *