Câmera desenvolvida pelo MIT consegue “ler” o conteúdo de um livro fechado

Equipamento de grande interesse para institutos de preservação de documentos históricos e museus consiste na aplicação de radiação terahertz para identificar a escrita presente nas páginas de um livro, eliminando a necessidade de abri-lo ou tocar no mesmo.

A radiação terahertz é aquela presente na faixa entre a radiação infravermelha e microondas. Tal espectro foi escolhido devido às diferentes formas de reação da radiação com os materiais. Diferentes materiais reagem de formas distintas com a radiação terahertz, o que pode ser medido e determinado. Desse modo há a possibilidade de identificar em quais partes da folha existe tinta ou ausência da mesma. Sobretudo ainda são necessários algorítimos e softwares específicos para a distinção das letras e páginas, de forma a determinar a velocidade de viagem das rajadas de radiação para identificar as páginas.

No momento a câmera é capaz de identificar até 20 páginas, entretanto consegue distinguir caracteres em apenas  9 destas. Com o futuro aprimoramento dos sensores, será possível ler um livro de forma completa, não havendo a necessidade de tocar no mesmo. Isto representa um grande aliado à preservação de documentos e artefatos históricos.

 

Para maiores informações acesse: Gizmodo

Câmera desenvolvida pelo MIT consegue “ler” o conteúdo de um livro fechado

Aluno do 2º ano de Engenharia da Computação e estagiário no Núcleo de Computação Embarcada da Universidade Positivo (NCE).

Classificado como:            

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *