Pesquisadores acreditam que a teoria do caos pode manter a Lei de Moore

Desenvolvida por Gordon Moore, co-fundador da Intel, a Lei de Moore prevê a diminuição nos transistores e circuitos que compõe os processadores pela metade em um ciclo de 18 meses, ao passo que sua performance aumenta significativamente. Até então esta Lei vem se provando verdadeira, mas diversos especialistas já vislumbram o seu fim, uma vez que a diminuição dos transistores está chegando à um limite físico, este limite já demonstrado na dificuldade em criar transistores em uma arquitetura de 14 e 10 nanômetros.

download

Visando uma mudança de paradigmas, pesquisadores então pensaram em não mais, pelo menos por enquanto, reduzir o tamanho físico dos componentes, mas sim fazer com que eles executem mais funções. De forma análoga, um chip atua como uma fábrica cheia de trabalhadores, cada qual com uma calculadora e passível de executar apenas uma única equação. Atualmente a indústria vem reduzindo as paredes dessa fábrica e aumentando a quantidade de empregados. Aplicando a teoria do caos, manteria-se a mesma quantidade de trabalhadores, mas estes seriam capazes de executar uma maior quantidade de equações com um número maior de calculadoras.

Este novo design, ainda que apenas um conceito, demostra grandes capacidades, uma vez que aproveita de muito potencial até então desperdiçado. Os cientistas afirmam que criar circuitos programáveis não deve ser algo de grande dificuldade, além de que estes podem ser produzidos com as mesmas ferramentas já utilizadas na indústria. Esta seria uma saída para a continuidade da Lei de Moore, pelo menos até os cientistas obterem um material capaz de construir arquiteturas de 5 nanômetros.

 

Para maiores informações acesse: Gizmodo

Pesquisadores acreditam que a teoria do caos pode manter a Lei de Moore

Aluno do 2º ano de Engenharia da Computação e estagiário no Núcleo de Computação Embarcada da Universidade Positivo (NCE).

Classificado como:            

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *