Carreira em W – o profissional com multifunções

Para os profissionais que anseiam por crescimento e reconhecimento possibilitando a escolha de mais de uma especialidade

Hoje em qualquer área, mercado ou país terá grande concorrência profissional. O ponto chave é ter um diferencial, alguma qualidade para se destacar.

Já citamos aqui no blog, a carreira em Y, aquela em que o profissional escolhe se quer ir para a área de estudo, ou seja, técnica; ou aquela que o profissional opta pela área de gestão ou administrativa.

Além dessa, fala-se muito em uma nova: a carreira em W. Pois existe uma exigência natural do mercado muito concorrido: as pessoas buscam se diferenciar e com isso procuram várias áreas do conhecimento.

É mais comum pensar em carreira em W para as pessoas que são “autogerenciáveis”, o que é cada vez mais comum no mercado de trabalho. A questão de hierarquia e construção de carreira como analista-gerente-diretor muitas vezes não está mais na realidade das empresas, e várias pessoas percebem uma necessidade de saber da sua área de estudo e atuação e também entender de administração e gestão.

Por isso essa ideia é relacionada com um alto grau de versatilidade e flexibilidade do profissional. Ele deve ter conhecimento técnico, habilidades administrativas e que saiba liderar diferentes pessoas de diferentes áreas.

São os líderes de projetos multidisciplinares e que ocupam cargos de maior complexidade. Alguns dos exemplos são gestores de projetos específicos, os quais estão sendo implementados em outras empresas e os profissionais terão que atuar por tempo determinado com um grupo de pessoas, os business partners, profissionais de pesquisa e desenvolvimento, consultores comerciais, profissionais de tecnologia, entre outros.

Existem aqueles que se destacam em suas áreas e acabam gerenciando uma equipe maior, passando seus conhecimentos técnicos, mas tendo que adquirir novos conhecimentos de gerenciamento de pessoas, lideranças, entre outros.

Jaqueline Bartzen formou-se em Comunicação Social com ênfase em Jornalismo, atua até hoje na área e aproveita seus conhecimentos, porém se viu à frente de uma equipe e optou por estudar mais sobre gestão. “Em 2012, assumi a equipe de Comunicação (um setor dentro do Marketing) do Colégio Positivo e da Universidade Positivo; e, em 2015, implementei uma equipe de WEB, depois, no mesmo ano, passei a responder por toda a equipe de Marketing (Comunicação, Web, Publicidade, Produção Gráfica, Criação e Eventos), por isso fiz duas especializações, Comunicação Empresarial e Institucional na UTFPR e em Gestão de Pessoas e Liderança na UP que me ajudaram a gerir toda essa responsabilidade”, explica.

Quando se pensa que a empresa se torna uma escola de profissionais e está preocupada com o desenvolvimento de seus funcionários, são as próprias que incentivam a carreira em W. Fazem isso quando comprometem os colaboradores a assumirem novos projetos, trabalharem com outras áreas e até bancar cursos para crescimento de carreira, e com isso a organização ganha em resultados acima do esperado.

“Gerir pessoas, conflitos, projetos, tempo e budget tornam-se atividades intrínsecas a tudo e, assim, mesmo a minha atuação como jornalista tem um pouco da minha atuação como gestora. Quando se segue um caminho de gestão, não existe mais volta: não consigo mais me ver atuando, mesmo que seja na área técnica, sem aplicar tudo o que eu sei hoje sobre gestão”, complementa Bartzen.


15 comentários sobre “Carreira em W – o profissional com multifunções

  1. Felix de Souza disse:

    Bastante interessante, um assunto que se nos aprofundarmos teremos muitos exemplos de pessoas que estão neste momento em transição para carreira em “w”, ou já passaram por essa transição.
    Concordo com o que diz Bartzen, “Gerir pessoas, conflitos, projetos, tempo e budget tornam-se atividades intrínsecas a tudo”. Para quem vem de uma carreira de especialista para a carreira de gestão isto é essencial para crescer nessa nova jornada na carreira, no meu caso, precisei fazer “coaching”.

  2. Hellen disse:

    nos enquanto colaboradores devemos nos reinventar, atuar em empresas onde isso e permitido, onde nos sao confiadas nova atribuições torna tudo mais facil e ambos saem vencedores.

  3. Carla Marcia Barth disse:

    Muito bom, pois um líder bem preparado também prepara sua equipe para o melhor trabalho na empresa, com o atendimento aos clientes para que todos saiam surpreendidos com o atendimento para que voltem sempre nos procurar, tudo isso faz um bom líder.

  4. izabel disse:

    Auto gerenciamento é o futuro e para isso todo profissional deve estar preparado, buscando diversificar seus conhecimentos e assim poder se destacar nesta nova realidade.

  5. Robert Rigaud disse:

    Olá!

    Meu nome é Robert Rigaud, autor da carreira em W.

    A carreira em W de Rigaud, abrange muito mais do que um “um terceiro caminho” ou “uma perna a mais”, como eu mesmo falo em meus comentários, a careira em W de Rigaud é a junção de dois ipsilone (YY) .

    São dimensões que vão muito mais além do que um técnico e líder. A carreira em W de Rigaud não encontra limitações, os profissionais podem crescer para onde eles queiram, desde que atendam o perfil do cargo para o qual eles queiram migrar.

    A carreira em W corre em quatro paralelos de cargos que vai desde os cargos genéricos até os de especialidade. O plano de cargos e salários de Rigaud atende os mesmos paralelos, deixando de lado os planos arcaicos comercializados até hoje.

    Realmente “Cada empresa precisa desenhar um modelo para atender as suas necessidades”. Sim, cada empresa pode desenhar seu próprio modelo de carreira, mas a questão central envolve o entendimento e o estudo de carreira que precisa ser feito. Não que não exista conhecimento consistente sobre o assunto, a questão é o como utilizar os quatro paralelos dentro do conceito de carreira. Para isso não importa se é líder, executivo ou um CEO, o que importa é como e quando migrar entre os paralelos de forma horizontal e, posteriormente, verticalmente.

    O conceito em W é amplo, aberto (transparente) e irrestrito, e não apenas para um grupo de empregados, e que, aos poucos, vai se estendendo para outros empregados. Muito pelo contrário, a metodologia em W é para toda empresa.

    O modelo de carreira em W de Rigaud, veio para inovar as metodologias de carreira em Y e uma carreira (natimorta) em W da década de 80.

    Quando se fala em carreira em W, estão se referindo ao autor Robert Rigaud.

    Obrigado
    Robert Rigaud
    Fone: (11) 96949-2226

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *