Oriente Médio: as histórias não contadas

Fotógrafa conta sua experiência com refugiados na Jordânia

Michele Bravos, jornalista e fotógrafa pós-graduada em Fotografia e Imagem em Movimento, teve uma experiência intensa com refugiados das zonas de conflito no Oriente Médio que fugiram para a Jordânia. Ela passou 30 dias em uma missão humanitária na região e contou sua trajetória na palestra “Oriente Médio: as histórias não contadas”, realizada no dia 12 de maio na Universidade Positivo – câmpus Praça Osório.

WhatsApp-Image-20160513 (1)

Na palestra, Bravos relata que as pessoas que encontrou durante a viagem têm muito em comum com ela e com pessoas próximas, e provoca a plateia com a pergunta: “Vocês apoiam o Estado Islâmico? Caso não, vocês também seriam perseguidos por eles se estivessem na região”.

A fotógrafa também conta algumas histórias sobre pessoas que conheceu. Todas têm sonhos, profissões e famílias, mas tiveram que fugir, deixando lembranças, bens e conforto para trás. Chegam na Jordânia dependendo de doações, tendo que reconstruir totalmente a vida em outro país.

“São milhares de histórias assim. Quando o Estado Islâmico chega em uma cidade, as contas são bloqueadas, agências físicas são roubadas e ninguém consegue sacar dinheiro. As pessoas fogem com o dinheiro que têm no bolso”, conta Bravos. “Mas todos os refugiados que tive contato foram amorosos, fizeram questão de oferecer chá quando chegamos em suas casas e são muito agradecidos. Acima de tudo, têm uma fé imensa em Deus”, relata.

Milhares de sírios e iraquianos não veem outra saída a não ser fugir das guerras e tentar salvar suas famílias. “São histórias tristes e meu coração foi tocado por elas. Por isso, eu quis tanto ir até lá. Quando estava na região, sabia que era o lugar em que eu deveria estar. Fui motivada a ir e com certeza minha vida foi mudada”, narra a jornalista. “Ao tirar as fotos, sinto que deixo marcada a pessoa na minha vida, e posso passar um pouco desse sentimento para outras pessoas. Tenho o objetivo de sensibilizar”, explica.

“Depois dessa lição, sinto que minha missão é contar um pouco dessas histórias para os outros e tentar ajudar os refugiados”, complementa. “Não adianta esperar o ‘momento correto’, agora é o momento para se envolver da forma que é possível”.

michele bravos 2

Para ajudar os refugiados das zonas de conflito no Oriente Médio, Michele Bravos indica algumas instituições:

UNHCR ACNUR

Mais no Mundo

Família Aziz

Turismo de Empatia

 

 

 


Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *